sexta-feira, 27 de setembro de 2013

DNA reprogramavel

O DNA humano é uma Internet BIOLÓGICA e superior em muitos aspectos a uma rede artificial. A mais recente pesquisa científica russa, direta ou indiretamente, explica fenômenos como a clarividência, a intuição, atos espontâneos e remotos de cura, auto-cura, as técnicas de afirmação vocal, a luz incomum/aura em torno de pessoas, influência da mente sobre padrões climáticos e muito mais.

Além disso, há evidências de um novo tipo de medicina nas quais o DNA pode ser influenciado e reprogramado por palavras e frequências SEM remover e substituir um único gene, ou sem a prática da medicina invasiva convencional. “Cromossomos vivos funcionam como solitônicas / computadores holográficos que usam a irradiação Laser do DNA endógeno”. Isso significa que eles conseguiram, por exemplo, modular a frequência de certos padrões em um raio laser e com isso influenciar a frequência do DNA e, assim, a própria informação genética. Desde que a estrutura básica dos pares alcalinos do DNA e da linguagem sejam da mesma estrutura, nenhuma decodificação do DNA foi necessária.

Nós agora sabemos que, assim como na Internet o nosso DNA pode alimentar seus dados apropriados para a rede, pode chamar os dados da rede e podemos estabelecer contato com outros participantes da rede. A cura à distância, telepatia ou sensibilidade à distância” sobre o estado de parentes, etc pode ser explicado. Mestres esotéricos e espirituais conheceram por eras que o nosso corpo é programável pela linguagem, palavras e pensamentos. Isso já foi cientificamente provado e explicado. Alguns animais sabem também à distância quando os seus donos planejam voltar para casa ou quando algum acontecimento importante está prestes a acontecer.

Isso explica finalmente e cientificamente por que as afirmações, os decretos, recitação de mantras, o treinamento autógeno, hipnose e similares podem ter efeitos tão fortes nos seres humanos e em seus corpos. É perfeitamente normal e natural para o nosso DNA reagir à linguagem humana (o poder do Verbo). Enquanto os pesquisadores ocidentais cortam genes simples das fibras do DNA e inserem-nos em outra parte, os Russos trabalharam entusiasticamente nos artifícios que podem influenciar o metabolismo celular através das adequadas frequências moduladas de rádio e luz e assim reparar defeitos genéticos.

É claro que a frequência tem que ser correta. E é por isso que nem todos são igualmente bem-sucedidos ou podem fazê-lo sempre com igual força e resultado. A pessoa individualmente deve trabalhar nos processos internos e na maturidade (espiritual), a fim de estabelecer uma comunicação consciente com o seu DNA.

Assim, de acordo com as descobertas, a molécula de DNA é como um antena para nossa consciência e a energia dos nossos pensamentos. Isso poderia explicar a cura espiritual e os milagres biomédicos?

http://goo.gl/GWu0G
http://goo.gl/SAQPD
http://goo.gl/Ij48q
De: Denize Fialho
Fotos da publicação de Denize Fialho em 2012 A Era de Ouro.
VIA: @[100002631728983:2048:João Carlos de Campos]

O DNA humano é uma Internet BIOLÓGICA e superior em muitos aspectos a uma rede artificial. A mais recente pesquisa científica russa, direta ou indiretamente, explica fenômenos como a clarividência, a intuição, atos espontâneos e remotos de cura, auto-cura, as técnicas de afirmação vocal, a luz incomum/aura em torno de pessoas, influência da mente sobre padrões climáticos e muito mais.

Além disso, há evidências de um novo tipo de medicina nas quais o DNA pode ser influenciado e reprogramado por palavras e frequências SEM remover e substituir um único gene, ou sem a prática da medicina invasiva convencional. “Cromossomos vivos funcionam como solitônicas / computadores holográficos que usam a irradiação Laser do DNA endógeno”. Isso significa que eles conseguiram, por exemplo, modular a frequência de certos padrões em um raio laser e com isso influenciar a frequência do DNA e, assim, a própria informação genética. Desde que a estrutura básica dos pares alcalinos do DNA e da linguagem sejam da mesma estrutura, nenhuma decodificação do DNA foi necessária.

Nós agora sabemos que, assim como na Internet o nosso DNA pode alimentar seus dados apropriados para a rede, pode chamar os dados da rede e podemos estabelecer contato com outros participantes da rede. A cura à distância, telepatia ou sensibilidade à distância” sobre o estado de parentes, etc pode ser explicado. Mestres esotéricos e espirituais conheceram por eras que o nosso corpo é programável pela linguagem, palavras e pensamentos. Isso já foi cientificamente provado e explicado. Alguns animais sabem também à distância quando os seus donos planejam voltar para casa ou quando algum acontecimento importante está prestes a acontecer.

Isso explica finalmente e cientificamente por que as afirmações, os decretos, recitação de mantras, o treinamento autógeno, hipnose e similares podem ter efeitos tão fortes nos seres humanos e em seus corpos. É perfeitamente normal e natural para o nosso DNA reagir à linguagem humana (o poder do Verbo). Enquanto os pesquisadores ocidentais cortam genes simples das fibras do DNA e inserem-nos em outra parte, os Russos trabalharam entusiasticamente nos artifícios que podem influenciar o metabolismo celular através das adequadas frequências moduladas de rádio e luz e assim reparar defeitos genéticos.

É claro que a frequência tem que ser correta. E é por isso que nem todos são igualmente bem-sucedidos ou podem fazê-lo sempre com igual força e resultado. A pessoa individualmente deve trabalhar nos processos internos e na maturidade (espiritual), a fim de estabelecer uma comunicação consciente com o seu DNA.

Assim, de acordo com as descobertas, a molécula de DNA é como um antena para nossa consciência e a energia dos nossos pensamentos. Isso poderia explicar a cura espiritual e os milagres biomédicos?

http://goo.gl/GWu0G
http://goo.gl/SAQPD
http://goo.gl/Ij48q
De: Denize Fialho
Fotos da publicação de Denize Fialho em 2012 A Era de Ouro.
VIA: João Carlos de Campos

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Mecanismos de defesa

“As matrizes do eu inferior são mecanismos de defesa criados pela entidade para se proteger dos choques vividos ao longo da vida. Esses mecanismos ficam registrados no seu sistema, e quando você é machucado, eles são acionados, assim como uma planta ou um animal que segrega veneno para se proteger. O ser humano tem nove tipos de “venenos” ou matrizes, os quais ele usa para se proteger quando é atacado: gula, preguiça, avareza, inveja, ira, orgulho, luxúria, medo e mentira. Porém, diferente dos animais e dos seres do reino vegetal que segregam veneno somente no momento que são atacados, no ser humano, uma vez que tem esse mecanismo acionado, o veneno fica atuando de forma inconsciente, mantendo a fixação naquela cena do passado. Às vezes você está consciente disso, às vezes não. Você toma consciência de uma fixação quando pode perceber que alguma situação do seu dia a dia aciona algum desses mecanismos de defesa.”
Sri Prem Baba
 
 
“As matrizes do eu inferior são mecanismos de defesa criados pela entidade para se    proteger dos choques vividos ao longo da vida. Esses mecanismos ficam registrados no seu sistema, e quando você é machucado, eles são acionados, assim como uma planta ou um animal que segrega veneno para se proteger. O ser humano tem nove tipos de “venenos” ou matrizes, os quais ele usa para se proteger quando é atacado: gula, preguiça, avareza, inveja, ira, orgulho, luxúria, medo e mentira. Porém, diferente dos animais e dos seres do reino vegetal que segregam veneno somente no momento que são atacados, no ser humano, uma vez que tem esse mecanismo acionado, o veneno fica atuando de forma inconsciente, mantendo a fixação naquela cena do passado. Às vezes você está consciente disso, às vezes não. Você toma consciência de uma fixação quando pode perceber que alguma situação do seu dia a dia aciona algum desses mecanismos de defesa.”

Sri Prem Baba

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Carta Cósmica: A Lua vai crescendo em Peixes, se encaminhando p...

Carta Cósmica:

A Lua vai crescendo em Peixes, se encaminhando p...
: A Lua vai crescendo em Peixes, se encaminhando para uma conjunção com Netuno. Vigie sua mente!  Toda a maestria está em desl...

A mente é brincalhona, não a leve tão a sério!


A MENTE É BRINCALHONA, NÃO A LEVE TÃO A SÉRIO

Sua mente brinca infinitamente - tudo é como um sonho em um quarto vazio. Ao meditar, você deve olhar para a mente e vê-la fazendo suas travessuras, como uma criança brincando e saltitando pelo puro excesso de energia. É só isso: pensamentos pulando, saltitando, brincando, apenas um jogo, você não deve levar isso à sério. 

Mesmo se houver algum pensamento ruim, não se sinta culpado. Ou, se houver um grande pensamento, um pensamento muito bom - se você desejar servir à humanidade e transformar o mundo inteiro, trazer o paraíso à terra - não deixe que seu ego seja tomado por ele, não pense que você se tornou grandioso. É apenas sua mente brincando. Algumas vezes ela desce, outras ela sobe, nada mais que energia em excesso tomando muitas formas e faces.

A dimensão da brincadeira deve ser estendida a toda sua vida. Seja o que for que esteja fazendo, esteja presente nesta atividade tão completamente que seu objetivo se torne irrelevante. O objetivo será atingido, tem que ser, mas não deve estar presente em sua mente. Você está brincando, divertindo-se.

- Osho.



Sua mente brinca infinitamente - tudo é como um sonho em um quarto vazio. Ao meditar, você deve olhar para a mente e vê-la fazendo suas travessuras, como uma criança brincando e saltitando pelo puro excesso de energia. É só isso: pensamentos pulando, saltitando, brincando, apenas um jogo, você não deve levar isso à sério.


Mesmo se houver algum pensamento ruim, não se sinta culpado. Ou, se houver um grande pensamento, um pensamento muito bom - se você desejar servir à humanidade e transformar o mundo inteiro, trazer o paraíso à terra - não deixe que seu ego seja tomado por ele, não pense que você se tornou grandioso. É apenas sua mente brincando. Algumas vezes ela desce, outras ela sobe, nada mais que energia em excesso tomando muitas formas e faces.


A dimensão da brincadeira deve ser estendida a toda sua vida. Seja o que for que esteja fazendo, esteja presente nesta atividade tão completamente que seu objetivo se torne irrelevante. O objetivo será atingido, tem que ser, mas não deve estar presente em sua mente. Você está brincando, divertindo-se.


- Osho.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

DECEPÇÃO

DECEPÇÃO
Certamente você já disse:
Caramba, que decepção... Jamais poderia esperar isso desta pessoa...
Na realidade, a pessoa em questão, a que causou a decepção, pode estar isenta de qualquer maldade pela sua atitude. O problema maior está em nossos valores e na forma de como queremos que as pessoas sejam ou nos vejam.

Decepção, para mim, determina o final de uma etapa ou da maneira de se ver a mesma coisa. Depois de muito estudar, eu fico com a segunda hipótese. Não é recomendável sofrer pelo que causamos a nós mesmos. A dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional.
Trata-se da quebra de um conceito criado pela nossa mente, invariavelmente não verdadeira. Fomos nós que construímos os valores e o rótulo que colocamos na outra pessoa. Foram nossos conceitos que pautaram o carinho, o amor e a amizade. Ninguém é igual a nós.

O outro só fez a parte dele. Na realidade a pessoa sempre foi o que está demonstrando naquele momento, mas éramos nós que não fazíamos a leitura correta de como ela realmente é em seu interior. As adversidades da vida nos mostram outras realidades com as quais não tínhamos contato. 
Muitas vezes me decepcionei. Em algumas, fiquei irritado, mas não sabia ler a vida como sei hoje. 

Lembro novamente do meu Mestre ND. Ele me disse: 
Saul, você sofre porque espera demais das pessoas. Elas são elas com seus conceitos e valores, você é você. Cada ser humano é diferente e vê a vida com sua exclusiva evolução e entendimento. As verdades são singulares. Nas dificuldades as pessoas mudam. Nas festas são todos iguais. A musica e o ambiente contribuem para a harmonia do local. As pessoas dão o que podem dar. Nós é que temos expectativas diferentes.
Enquanto você está lendo este texto certamente está analisando a sua vida e encontrando novamente os momentos que te magoaram profundamente, simplesmente porque a sua expectativa não foi recompensada conforme seu desejo.

Temos que analisar este ponto para nos policiarmos e nunca esperarmos das pessoas aquilo que elas não conseguem nos dar. Depois das várias lições e estudos que realizei, orientado pelo meu Mestre, pude perceber, acredite: era eu mesmo quem me feria. Nunca foram as pessoas. Elas, na realidade, nunca me prometeram nada. Eu é que esperava mais delas.
Reconheço que foi uma batalha bonita entre meus conceitos passados, minha cegueira e a verdade que se pode encontrar em cada relação com o ser humano. Por isso nunca devemos considerar uma verdade como eterna. Ela simplesmente espelha um momento, uma fração de segundo. Depois tudo tende a se modificar porque as energias se transformam.
Por isso o termo EVOLUIR. 

Muitas pessoas apenas repetem-no, mas não entendem o real significado desta palavra. Ë crescer caminhando. Jamais crescer lendo. Jamais crescer sem atitudes. Só conhecimento não gera sabedoria.
Para que possamos efetivamente saber mais temos que ter conhecimento novo e aplicá-lo. Portanto, de hoje em diante, cabe a nós decidirmos se vamos ou não nos decepcionar com as pessoas no futuro. 
Cada um dá o que tem... Claro que você já ouviu isso, mas nunca prestou a devida atenção na composição exata da frase. Primeiro porque, certamente, você confundiu o dar com algo material, pecuniário ou mesmo, até de sentimento. Mas, antes de sentir a gente quer ver. 

Outra frase: Ver para crer... Pense em tudo que está em sua, na minha, em nossa volta e irá perceber que muitas verdades estão escancaradas à nossa frente, mas insistimos em não vê-las simplesmente porque não conseguimos decifrar a verdade pelos conceitos ultrapassados que insistimos em adotar em nossas vidas. Nem tudo se pode ver. O que se sente sempre supera o que se vê.
A decepção é uma delas.
Por Saul Brandalise Jr.

Certamente você já disse:

Caramba, que decepção... Jamais poderia esperar isso desta pessoa...
Na realidade, a pessoa em questão, a que causou a decepção, pode estar isenta de qualquer maldade pela sua atitude. O problema maior está em nossos valores e na forma de como queremos que as pessoas sejam ou nos vejam.

Decepção, para mim, determina o final de uma etapa ou da maneira de se ver a mesma coisa. Depois de muito estudar, eu fico com a segunda hipótese. Não é recomendável sofrer pelo que causamos a nós mesmos. A dor é inevitável, mas o sofrimento é opcional.

Trata-se da quebra de um conceito criado pela nossa mente, invariavelmente não verdadeira. Fomos nós que construímos os valores e o rótulo que colocamos na outra pessoa. Foram nossos conceitos que pautaram o carinho, o amor e a amizade. Ninguém é igual a nós.

O outro só fez a parte dele. Na realidade a pessoa sempre foi o que está demonstrando naquele momento, mas éramos nós que não fazíamos a leitura correta de como ela realmente é em seu interior. As adversidades da vida nos mostram outras realidades com as quais não tínhamos contato.
Muitas vezes me decepcionei. Em algumas, fiquei irritado, mas não sabia ler a vida como sei hoje.

Lembro novamente do meu Mestre ND. Ele me disse: 

Saul, você sofre porque espera demais das pessoas. Elas são elas com seus conceitos e valores, você é você. Cada ser humano é diferente e vê a vida com sua exclusiva evolução e entendimento. As verdades são singulares. Nas dificuldades as pessoas mudam. Nas festas são todos iguais. A musica e o ambiente contribuem para a harmonia do local. As pessoas dão o que podem dar. Nós é que temos expectativas diferentes.

Enquanto você está lendo este texto certamente está analisando a sua vida e encontrando novamente os momentos que te magoaram profundamente, simplesmente porque a sua expectativa não foi recompensada conforme seu desejo.

Temos que analisar este ponto para nos policiarmos e nunca esperarmos das pessoas aquilo que elas não conseguem nos dar. Depois das várias lições e estudos que realizei, orientado pelo meu Mestre, pude perceber, acredite: era eu mesmo quem me feria. Nunca foram as pessoas. Elas, na realidade, nunca me prometeram nada. Eu é que esperava mais delas.

Reconheço que foi uma batalha bonita entre meus conceitos passados, minha cegueira e a verdade que se pode encontrar em cada relação com o ser humano. Por isso nunca devemos considerar uma verdade como eterna. Ela simplesmente espelha um momento, uma fração de segundo. Depois tudo tende a se modificar porque as energias se transformam.

Por isso o termo EVOLUIR.

Muitas pessoas apenas repetem-no, mas não entendem o real significado desta palavra. Ë crescer caminhando. Jamais crescer lendo. Jamais crescer sem atitudes. Só conhecimento não gera sabedoria.

Para que possamos efetivamente saber mais temos que ter conhecimento novo e aplicá-lo. Portanto, de hoje em diante, cabe a nós decidirmos se vamos ou não nos decepcionar com as pessoas no futuro. 

Cada um dá o que tem... Claro que você já ouviu isso, mas nunca prestou a devida atenção na composição exata da frase. Primeiro porque, certamente, você confundiu o dar com algo material, pecuniário ou mesmo, até de sentimento. Mas, antes de sentir a gente quer ver.

Outra frase: Ver para crer... Pense em tudo que está em sua, na minha, em nossa volta e irá perceber que muitas verdades estão escancaradas à nossa frente, mas insistimos em não vê-las simplesmente porque não conseguimos decifrar a verdade pelos conceitos ultrapassados que insistimos em adotar em nossas vidas. Nem tudo se pode ver. O que se sente sempre supera o que se vê.

A decepção é uma delas.

Por Saul Brandalise Jr.

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

CURA POR SONS ATRAVÉS DOS TONS SOLFEJO






A história das Frequências Solfejo
(Escrita por David Hulse – SomaEnergetics.com)

Estas freqüências sonoras originais foram aparentemente usadas em cantos gregorianos antigos, como o grande hino a São João Batista, juntamente com outros que as autoridades da igreja dizem terem sido perdidos séculos atrás. Acreditava-se que os cantos e os seus tons especiais transmitiam tremendas bênçãos espirituais quando cantados em harmonia durante as missas religiosas.

Estas freqüências poderosas foram redescobertas pelo Dr. Joseph Puleo, como descrito no livro “Códigos de Cura para o Apocalipse Biológico” (Healing Codes for the Biological Apocalypse) por Dr. Leonard Horowitz. Eu dou honra a ambos os cavalheiros pelo papel que desempenharam em ajudar no retorno destas frequências perdidas à humanidade.

As 6 Frequências Solfejo incluem:
 UT – 396 Hz – liberação de culpa e medo
RE – 417 Hz – desfazer situações e facilitar a mudança
MI – 528 Hz – transformação e milagres (reparo do DNA)
FA – 639 Hz – conexão / relacionamentos
SOL – 741 Hz – despertar intuitivo
LA – 852 Hz – voltar à ordem espiritual

Por exemplo, a terceira nota, de frequência 528 Hz, é relativa à nota MI na escala e deriva da expressão “MI-ra gestorum “, o que, em latim, significa “milagre”. Surpreendemente, esta é a frequência exata, usada por bioquímicos genéticos, para reparar DNAs interrompidos – o código genético sobre o qual se baseia a vida!

Um pouco de história

Na virada do século, o conhecimento do DNA entrou na consciência coletiva do mundo. Temos nos encarnado nesta experiência humana como seres divinos com um roteiro, um conjunto de instruções. Sabemos que uma percentagem muito pequena (3%) dessas instruções compõe a nossa fisiologia.

Carl Sagan escreve que a maioria de nossas informações genéticas (cerca de 97%) é DNA não utilizado. Ele se refere a isso como “jargão genético.” É possível que a maior parte do que somos ainda jaz adormecida como nosso potencial humano?

No velho paradigma da religião, “o potencial” permaneceu um mistério para a mente humana, portanto, cunhamos um termo místico chamado “espírito”. O Espírito era algo separado do que éramos, algo que não tínhamos e que somente poderia ser ganho através dos sistemas da maioria das religiões.

O velho paradigma e sua premissa afirmam que começamos como a biologia no ventre de nossas mães. Telliard deChardin nos diz que não somos um ser humano tentando alcançar uma experiência espiritual, mas sim, somos seres espirituais tendo uma experiência humana. Essa mudança de percepção provoca uma enorme diferença na maneira como nos percebemos neste terceiro / quarto continuum de espaço-tempo.

Sendo um estudante de “Um Curso em Milagres” nos finais dos anos 80, fui confrontado por uma dicotomia na idéia de que não somos um corpo. Eu nunca entendi essa declaração completamente até que eu li uma citação de Albert Einstein, que afirmava: “No que diz respeito à matéria, tivemos estado todos errados. O que nós chamamos de matéria é energia, cuja vibração tem sido tão reduzida para ser perceptível aos sentidos. Não há matéria.”

Eu acredito que o que está sendo afirmado é que, num nível mais profundo, não estamos separados, como um corpo, um espírito, uma alma – somos apenas seres de energia. Este é o nível de consciência que está sendo aberto por nós a partir do qual um novo paradigma está surgindo com a finalidade de curar toda a separação. A expressão popular “O Divino, está em mim” me faz separado do Divino. Possa eu sugerir uma mudança dizendo: 

“O Divino, como eu” para remover a separação.

À medida que nos movemos da genética e de conceitos como alma, “Alma Gêmea” e “Trabalho de alma”, nós nos movemos para além do diagnóstico físico em um novo campo da física quântica. Neste novo campo, onde a consciência é vista como um campo unificado, onde tudo é tudo o mais (TOE teoria – A Teoria de Tudo), não há limites. Não existe “isto” ou “aquilo” nem eu ou você. É um novo campo de puro despertar – a consciência.

Eu resolvi a dicotomia sobre “nós não somos nosso corpo” mudando a minha percepção de genética para energética – percebendo que nós não somos destinados a ignorar nossa fisiologia mas reconhecendo o corpo como a energia vibrando a uma freqüência muito densa.

Como as frequências Solfejo se perderam?

Descobri que estas frequências poderosas tinham sido dadas à igreja há muitos anos por um propósito muito espiritual. Isso foi quando a igreja era um lugar maravilhoso para as pessoas nas aldeias se reunirem. A igreja serviu como um lugar social, político espiritual.

As pessoas vinham à missa, que naquela época, era feita em latim (até o que o Vaticano II viesse). Quando as pessoas cantam em tons latinos ou musicais, é muito poderoso, porque ele penetra através de todas as formas-pensamento limitadas e vai a níveis mais profundos do subconsciente – acessando insights além dos sistemas de crença.

Como descrito acima pelo Dr. Candice Pert, PhD, energia e vibração percorrem todo o caminho até o nível molecular. Ela afirma que temos 70 diferentes receptores nas moléculas e, quando a freqüência de vibração as atinge, elas começam a vibrar. Além disso, observou ela, “à medida que elas começam a vibrar, elas se tocam e fazem cócegas umas nas outras e brincam e se rearranjam.”

É toda esta dança ritual energética, a nível celular, que abre os cromossomos e expõe o DNA às frequências. Quando fazemos tonificação, tambores, cânticos, ou diapasões – pode ser uma forma de direcionar a energia para fins de transformação.

Vibração e som podem ser usados, como a maioria das coisas, seja com intenção positiva ou negativa. Usado de forma negativa, não é nada mais do que o controle e manipulação. A maior parte do mundo foi construída em cima de controle e manipulação à medida que nos comunicamos através da linguagem.

Um monte de diferentes textos, como a Bíblia, falam sobre a importância de apenas fazer som, quer se trate de cânticos, percussão, ou falando em línguas (como os fundamentalistas, carismáticos fazem). Eles são apenas diferentes maneiras pelas quais as pessoas estão acessando níveis mais profundos de si mesmas. Sugiro-lhe que os diapasões Solfejo são uma forma ainda mais pura de fazer isto com a intenção positiva.

Quando o Dr. Joseph Puleo estava pesquisando os tons, ele foi encaminhado para um Monsenhor em uma universidade em Spokane, WA, que era chefe do departamento medieval. Após uma conversa de 20 minutos:

“Você consegue decifrar o latim medieval?
“Absolutamente!”
“E você conhece a escala musical e tudo mais?”
“Absolutamente!”
“Pois então, você poderia me dizer o que “UT – queant laxis” significa?
Após uma breve pausa, o Monsenhor brincou: “Não é da sua conta.”
Então ele desligou.

Além disso, como o Dr. Puleo pesquisou mais sobre os tons, deparou-se com um livro em canto gregoriano pelo Professor Emeritus Willi Apel que argumentou que “os cantos que estão sendo hoje usados estão totalmente incorretos, e prejudicaram o espírito da fé católica ( 1 ) “. Além disso, o Professor Apel relatou que 152 cantos estavam, aparentemente, ausentes.

A Igreja Católica, provavelmente “perdeu” estes cantos originais. Os cantos eram baseados na escala antiga original de 6 notas musicais chamada Solfejo ( 1 ) “. Confie em mim, nada está perdido, é só arrumar ordenadamente, no entanto, eles não podem esconder das massas o que está energeticamente colocado dentro da alma.

Segundo o professor Willi Apel ( 1 ), a origem do que hoje é chamado de Solfejo … surgiu a partir de um hino medieval de João Batista que tem a particularidade de que as primeiras seis linhas da música começaram, respectivamente, sobre as primeiras seis notas sucessivas da escala e, assim, a primeira sílaba de cada linha foi cantada numa nota em grau maior que a primeira sílaba da linha precedente.

Aos poucos, as sílabas se tornaram associadas e identificadas com suas respectivas notas e, como cada sílaba terminava em uma vogal, elas foram particularmente adaptadas para o uso vocal. Assim, “Ut” foi substituído pelo artificial “Dó”. Guido de Arezzo foi o primeiro a adotá-las no século 11 e Marie Le, um músico francês do século 17, acrescentou “Si” para a sétima nota da escala a fim de completar a série.

Pesquisas adicionais afirmam que o Papa João, mais tarde, tornou-se um santo – São João – e, em seguida, a escala foi alterada. A sétima nota “Si” foi acrescentada a partir de seu nome. “Si” se tornou mais tarde “Ti”. Essas mudanças alteraram significativamente as freqüências cantadas pelas massas.

As alterações também enfraqueceram o impacto espiritual dos hinos da Igreja. Devido à música carregar ressonância matemática, as freqüências são capazes de inspirar a humanidade espiritualmente a fim de deixá-la mais semelhante a Deus, as mudanças efetuaram alterações no pensamento conceitual, distanciando ainda mais a humanidade de Deus.

Em outras palavras, quando você canta um Salmo, é música para os ouvidos. Mas ele foi originalmente destinado a ser música para a alma ou para a orelha secreta. Assim, mudando as notas, as altas matrizes do pensamento e do bem-estar foram esmagadas. Agora é hora de recuperar essas notas em falta.

Eu tinha ouvido falar do, re, me, fa, so, la, ti, do. Eu particularmente respondia a ele sempre que ouvia essa música por Julie Andrews em “The Sound of Music”. Eu tenho literalmente um “disparo das células cerebrais”, à medida que está gravada no meu cérebro, e eu vejo sua vinda sobre a montanha no filme. Eu não sabia que isto era realmente uma escala modificada, uma segunda escala. A escala original Solfejo realmente era: UT, RE, MI, FA, SO, LA.

Olhando para as definições de cada uma das sílabas originais, usando entradas ocultas no dicionário Webster’s e nos Apócrifos originais gregos, eu determinei que estas frequências originais podem ser usadas para tornar a tristeza em alegria, ajudando a pessoa a se ligar com sua Fonte para trazer milagres, reparar o DNA, conectar-se com sua família espiritual, resolver situações e se tornar mais intuitivo, e, finalmente, retornar à ordem espiritual ( 2 ).

Através da música, esses tons podem ajudar todos os canais a ficarem abertos e manter a força de vida (Chi), literalmente, fluindo através do Sistema de Chakras livremente. É isso é o que as seis freqüências eletro-magnéticas devem realizar que foram colocados em hinos perdidos e cânticos gregorianos?

Acho que estamos vivendo numa época tremendamente maravilhosa, e ao invés de ver o copo “meio vazio”, veja-o como “meio cheio.” Ao invés de aceitar a perspectiva do Jornal Nacional da visão de mundo, encontre a perspectiva através da visão de seu próprio coração.

Trata-se de mudança e transformação da humanidade para o próximo nível de evolução. Nós, como Trabalhadores Espirituais da Luz, fizemo-nos acessíveis neste momento, por determinação divina, para estar aqui a fim de ajudar aqueles humanos que escolhem (é tudo baseado em escolha irrevogável) ficar ou ir. Aqueles que optaram por permanecer entrarão em nossas vidas e nós já concordamos em ajudá-los.

É tudo sobre ajudar outras pessoas. Não é para ser seu Curador mas para ajudá-los a saber quem eles são e se conectar com sua verdadeira origem. Trata-se de fornecer um ambiente de não-julgamento, um espaço sagrado, com a finalidade de se curarem.

Devemos estar continuamente ensinando ao mesmo tempo em que apoiamos pessoas. O velho paradigma nos ensina a manter a informação entre os profissionais. O novo paradigma consiste em compartilhar as informações e autorizar o cliente. Todo mundo com quem trabalha – quer se trate de Reiki ou Massagem, seja utilizando diapasões ou outras modalidades – deve sentir que você o habilitou para que possa estender esta informação para outra pessoa.

A cura se tornou relacionada com nossa evolução por reconectar os filamentos adicionais de DNA. A cura se refere também à ajuda de outra pessoa a se restaurar a um estado de “Plenitude Espiritual”.

Notas:

(1) “Códigos de Cura para o Apocalipse Biológico” por Leonard Horowitz Dr., p. 345-6
(2) Ibid.
(3) De “O Jogo cósmico do homem” por Guiliana Conforto

3, 6 e 9

Quando olhamos para as seis frequências Solfejo originais, utilizando o método pitagórico, encontramos que a base ou raiz dos números vibracionais é 3,6 e 9. Nicola Tesla nos diz e eu cito: “Se você soubesse a magnificência do 3, 6 e 9, então você teria uma chave para o universo.”

John Keely, especialista em tecnologias eletromagnéticas, escreveu que “as vibrações de terços, sextos e nonos eram extraordinariamente poderosas.” De fato, ele demonstrou que “os terços antagônicos vibratórios eram milhares de vezes mais fortes que o calor para separar o hidrogênio do oxigênio na água “.

Em sua “Fórmula de Desintegração Aquosa “, ele escreveu que “na dissociação molecular ou desintegração de elementos simples e compostos, sejam gasosos ou sólidos, uma corrente de vibração de terços, sextos, e nonos antagônicos em sua massa irá impulsionar subdivisões progressivas. Na desintegração da água, o instrumento é definido em terços, sextos e nonos para obter os melhores efeitos. “

No livro do Gênesis, afirma-se que há seis dias da criação. No entanto, muitos falam sobre a semana da criação – ou sete dias – e a Bíblia cristã vê o número sete como número da perfeição. Por que 7? Será devido à influência da cultura do Oriente Médio no momento em que Jesus viveu, quando se acreditava que havia apenas sete planetas?

Em relação à adição de um sétimo número, eu fui misticamente atraído por um artigo no Discovery Magazine. Em seu livro mais recente, “Apenas seis números”, Rees afirma que seis números fundamentam as propriedades físicas fundamentais do universo, e que cada um é o valor exato necessário para permitir a vida florescer.

Ao expor essa premissa, ele se junta a uma longa linha de ousadia intelectual de cosmólogos e astrofísicos (para não mencionar os filósofos, teólogos e lógicos) esticando todo o caminho de volta para Galileu, que pergunta: Por que estamos aqui? Como Rees diz: “Estes seis números constituem uma receita para o universo.” Ele acrescenta que “se qualquer um dos números fosse diferente, mesmo ao mais ínfimo grau, não haveria estrelas, nem elementos complexos, nem vida.” ( do Discovery Magazine).

Como alguns autores especulam, poderiam estes tons ter desempenhado um papel na ruptura milagrosa da grande muralha de Jericó em seis dias antes de cair o sétimo dia? Alguns cientistas estão dizendo que se fomos criados, é mais provável termos sido cantados à existência.

É possível que os seis dias da criação mencionados em Gênesis representem seis freqüências fundamentais que sustentam o universo? Estudiosos religiosos acreditam que os eventos ocorreram como resultado de sons sendo falados ou tocados.

Outros cientistas, incluindo os gênios Nikola Tesla, Raymond Rife, assim como Mozart, Haydn, Beethoven e Chladni, todos devem ter conhecido e usado o conceito do poder inerente de três, seis, e noves. Então estamos lidando com três números poderosos: 3-6-9.

Todos os seis dos Diapasões Solfejo somam, individualmente, ao regime de Pitágoras de 3-6-9. Na verdade, visto que há dois conjuntos de 3-6-9 (anagramas), no solfejo, eles são ainda mais poderosos pois estas combinações servem como “portais” para outras dimensões!

Somente entonação – Disposição igual de 12 tons

Como já observado anteriormente, uma outra razão pela qual estas freqüências Solfejo antigas se tornaram “perdidas” foi por causa da mudança nas práticas de afinação ao longo da história. O método padrão de afinação dos últimos 200 anos é muito diferente das práticas de afinação que datavam desde a antiguidade até por volta do século 16 dc. Estas práticas antigas de afinação usavam um sistema de afinação conhecido como Entonação Justa.

A prática de afinação adotada pelas culturas ocidentais durante os séculos 16, 17 e 18 e, usadas hoje em dia, é conhecida como disposição igual de 12 tons. A explicação dos fundamentos destes sistemas de ajuste é demasiadamente complexa, mas a seguinte citação de um livro escrito por David B. Doty, intitulado “A cartilha da entonação justa” (The Just Intonation Primer), deve dar uma idéia do confinamento a que a música tem sido relegada: “Essencialmente, a música tem sido colocada em uma caixa de limitações como resultado da rigidez imposta pelos padrões de afinação da igualdade de 12 tons em uso hoje.”

“Embora seja difícil descrever as qualidades especiais dos intervalos justos (entonação) para aqueles que nunca os ouviram, palavras como clareza, pureza, suavidade e estabilidade vem à mente. Os intervalos consonantais supostos e acordes da disposição igual em 12 tons se desviam das relações simples em diferentes graus tais como o som áspero, inquieto, ou enlameado na comparação. “

A entonação justa pode ser encontrada em muitos dos grandes Pais da Música Clássica – Beethoven e Hyden, só para citar alguns. Eles não usam esta disposição de 12 tons e eu acho que isto é porque nós temos uma experiência mais rica quando ouvimos a música que foi composta por várias centenas de anos atrás. A Música Clássica com base na entonação justa nos dá uma relação diferente com o tempo e espaço e nos traz aos nossos chacras superiores.

O canto dos nativos americanos é, muitas vezes, baseado somente em entonação. O canto parece soar monótono mas estamos descobrindo que, dentro do som monótono, estão as harmônicas multi-dimensionais.

Como estes diferentes tipos de tons afetam a nossa saúde

Consequentemente, uma vez que toda a música em nosso mundo contemporâneo (a partir de comerciais até hinos modernos e sinfonias) foi composta utilizando a escala de disposição igual de 12 tons , todos eles têm limites vibracionais. Como resultado, a frequência de vibração dos tons da música moderna pode criar situações como a “caixa-de pensar”, emoções cheias e reprimidas e consciência de “falta” baseada no medo – todas elas tendem a manifestar os sintomas físicos da “doença.”

Isto está em contraste com a música criada a partir da escala antiga Solfejo, o que estimula a vibração da criatividade expandida, a resolução mais fácil de problemas e a saúde holística.

Novamente, deve-se notar que, embora existam notas contemporâneas que se aproximam dos tons Solfejo, elas não são da mesma frequência que os tons antigos. Exemplo: O tom Solfejo Mi vibra a 528 Hz. O tom contemporâneo mais próximo comparável é C, acima do C médio, que vibra a 512 Hz. Nossa pesquisa indica que as frequências de vibração contida nos tons Solfejo realizam estas potencialidades curativas originais.

Se você tem dúvidas sobre a frequência Solfejo, não hesite em nos contatar.

DOWNLOAD DOS TONS SOLFEJO:

Atualização: existem agora 3 versões das frequências Solfejo disponíveis para download.

A primeira é conhecida como “Tom Solfejo Ravi”. Esta faixa é para permanecer em um formato de alta qualidade WAV para os melhores resultados. Esta faixa é a mais intensa das duas disponíveis. Não é recomendável que você a converta em MP3 ou qualquer outro arquivo compactado porque você vai correr o risco de perder o tom em sua integridade e não irá funcionar corretamente.

- Baixe o arquivo de áudio Ravi Solfejo
- (Já disponível) Baixe o arquivo de áudio Ravi Solfejo sem ambiente.

A segunda é conhecida como Freqüências Sedona 11:11. Essas faixas são mais rápidas para download mas são de menor intensidade, no entanto, seus efeitos positivos continuam.

- Baixar as Frequências Sedona 11:11 (arquivo ZIP)
- DOWNLOAD da faixa bônus: Matriz harmônica de todos os 6 Tons Solfejo

A terceira é a coleção de 9 Frequências Sofejo. Como as freqüências Sedona 11:11, esses tons são também de menor intensidade.
- DOWNLOAD da coleção de 9 Frequências Solfejo (arquivo ZIP)

INSTRUÇÕES:
 
Encontre um lugar calmo onde você não será perturbado. A utilização de fones de ouvido estéreo para as frequências Solfejo é altamente recomendada. Quanto melhor a qualidade dos fones de ouvido, melhor o resultado que você receberá.

À medida que você começa a ouvir as freqüências Solfejo, é importante que você se concentre no jogo tonal Solfejo. Deixe ele estar onde você focaliza sua atenção.

A medida que você também começa a ouvir as frequências, você pode encontrar sintomas como dores de cabeça, contrações musculares do corpo ou até náusea. Não se assuste. Isso é perfeitamente normal ! Os tons estão removendo bloqueios energéticos de seu corpo de modo que seu campo eletromagnético harmônico natural possa fazer fluir mais energias para as áreas mais necessitadas do corpo.

Para melhores resultados, ouça qualquer versão das freqüências Solfejo pelo menos uma vez por dia. Os melhores resultados acontecem após um período de seis semanas ouvindo os tons diariamente. Você pode ouvir os tons quantas vezes quiser por dia, eles só irão beneficiá-lo. Desde que você execute a rotina uma vez por dia durante seis semanas, você vai começar a ver resultados.

Lembre-se que as frequências Solfejo não são uma cura milagrosa. De maneira alguma, você deve substituir o medicamento prescrito ou qualquer outra forma de tratamento sem antes consultar o seu médico. As frequências de Solfejo são uma ferramenta adicional que podem ajudá-lo em condições médicas mas não devem, de forma alguma, ser a principal fonte de substituição sem o consentimento do médico.

________________________

Esta mensagem foi escrita por Brad Johnson (os vídeos foram incluídos por Anjo de Luz)
Traduzida por Thiago Freitas para Anjo de Luz (por favor, quando compartilhar inclua o tradutor e o site)

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

As nove matrizes do eu Inferior e as distorções dos atributos divinos


http://4.bp.blogspot.com/-8knjy4IgqHY/T56a2XjFB5I/AAAAAAAADuA/Il2I-XTpTbU/s400/Tibetan-Sand-Mandala.jpg

A personalidade pode ser representada por uma mandala: Na camada externa está o ‘eu idealizado’, com suas infinitas máscaras: a vítima, o submisso, o amoroso, o cuidadoso, o agradador, o agressivo, o autosuficiente, o indiferente, o iluminado, o devoto... E, numa camada mais interna, está o que eu denominei de as nove matrizes do eu inferior, que são instrumentos da intencionalidade negativa, ou seja, do seu “não” para a vida. Na camada ainda mais interna ou profunda da mandala está escondida a dor e, por trás dela, estão a as virtudes da alma (contrapartes das nove matrizes). Bem no centro da mandala, na camada mais interna ou profunda, está o Eu Divino.
As matrizes do ‘eu inferior’ são camadas de autodefesa criadas pela entidade como resposta aos choques de exclusão, humilhação, rejeição e abandono que ela viveu durante a sua jornada. Essas defesas podem se manifestar em diferentes graus de egoísmo e destrutividade, que dão sustentação aos pactos de vingança.
Vamos conhecer um pouco sobre cada uma das matrizes:
Gula – Qualquer manifestação de voracidade, o que podemos também chamar de compulsão, pois é incontrolável. Ela não é necessariamente ligada somente à comida, mas à qualquer tipo de compulsão: de comer, de falar, de ler, de fazer sexo, de comprar... Isso inclui os pensamentos compulsivos.
Preguiça – A paralisação diante daquilo que precisa ser feito. O preguiçoso é comumente visto como um vagabundo, ou seja, existe um julgamento moral em relação a ele. Mas, na verdade, ele não é um vagabundo, mas sim um refém de sentimentos congelados e suprimidos no seu sistema. Um “workaholic” pode ser extremamente preguiçoso porque faz muitas coisas, menos o que precisa ser feito. Esse fazer se torna uma fuga.
Avareza – O desejo de acumular coisas. O avarento acumula, mas não divide, ele guarda e quer tudo para si: coisas, dinheiro, mulheres, homens... Essa é uma manifestação do que eu costumo chamar de ‘medo da escassez’. A avareza não se manifesta somente com o dinheiro, mas também pode ser avareza de amor, de sentimento, entre outras coisas.
Inveja – É um desgosto pelo sucesso alheio e uma vontade de destruir o objeto desejado. Ela nasce de um profundo sentimento de impotência e inadequação e pode se manifestar de diversas formas, até mesmo como auto-inveja, ou seja, a inveja de alguma outra parte sua.
Ira – É impulso destrutivo manifestado como violência, Ela pode ter muitos desdobramentos: irritação, impaciência, intolerância, fúria, rancor, vingança... Também se manifesta de forma passiva através da mágoa e da indiferença.
Orgulho – O orgulho se vale de muitas máscaras para manter-se oculto e camuflado. Essas máscaras são as manifestações do próprio orgulho que se manifesta de diversas maneiras: vaidade, vergonha, arrogância, auto-imagem, complexo de inferioridade e superioridade, falsa humildade...
Luxúria – É o uso distorcido da sexualidade, ou seja, é a utilização da energia sexual para obter poder sobre o outro. Pode se manifesta como sedução, ciúme e possessividade.
Medo – O medo se faz presente em todas as matrizes. Ele inclui a dúvida, o ceticismo e todos os tipos de pânico. Ele é o guardião dos sentimentos negados e suprimidos.
Mentira – A mais enganosa das matrizes do eu inferior. Assim como o medo, está presente em todas as outras matrizes. Ela vai desde a mentira descarada (que é dita ao outro para promover a si próprio), até sua manifestação mais sutil que é o autoengano, ou o esquecimento de quem é você.

--

Todas as matrizes são produtos da sua identificação com o corpo. Uma das manifestações do corpo é a sua criança ferida. Essa instância do seu psiquismo, esse aspecto da sua personalidade que foi moldado pelo que você aprendeu no mundo e pelos choques de exclusão, de humilhação, abandono e rejeição que você viveu. Então sua mente ficou fixada ali. Você acredita ser essa criança. Em termos mais objetivos, o que é essa criança? É a sua história. Você está fixada na sua história, está encantada com ela. Nesse encantamento, você acredita ser essa criança que precisou criar esses mecanismos de defesa.
(...)
O eu inferior é visto como algo muito pessoal por conta, claro, da identificação com ele próprio. Conforme você vai aprofundando o seu processo de identificação, vai se surpreender com uma coisa: o eu inferior não é sua propriedade; são partículas soltas que estão flutuando no universo e, por conta de determinadas leis, você acabou trazendo para si algumas partículas específicas. Por conta de determinadas leis, você encarnou neste planeta com o propósito cósmico de integrar tais partículas. Mesmo antes de encarnar, o processo de integração já estava determinado, então, trata-se de um propósito cósmico. Estamos falando da alquimia do mal que cada um carrega em si com o propósito de transformá-lo. Cada corpo humano é um casulo de eus psicológicos e o seu trabalho é justamente transformá-los. Das nove matrizes do eu inferior - gula, preguiça, avareza, inveja, ira, orgulho, luxúria, medo, mentira – e todas as distorções dos atributos divinos na forma da máscara – o submisso, o auto-suficiente ou o retraído – embora cada um carregue todas essas manifestações, em cada encarnação sempre tem um personagem principal. Se você transforma o protagonista, transforma a todos.
Mas, é importante que vejamos essas manifestações como complexos autônomos independentes. Embora sejam criados pela mente, eles ganharam autonomia e agem como entidades que tem muito claro o que querem. O que eles querem? Viver, como tudo que é vivo quer viver. Qual é o alimento que mantém a vida de uma manifestação da sombra? As emoções negativas que ela mesma gera. Ela vai fazer de tudo para repetir a cena e gerar as mesmas emoções a fim de continuar viva. Por isso que eu falo que a forma de identificar esses eus é identificar as suas repetições negativas. Todas as repetições negativas têm um eu psicológico no comando. O eu inferior que eu chamo de criança ferida, com seus protestos de onipotência e sua vingança em relação ao mundo, quer repetir o drama, a mesma novela porque vai reviver as emoções.

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

AS CORES DA SUA AURA

AS CORES DA SUA AURA

Mesmo hoje, as cores ainda são usadas nas culturas mais desenvolvidas para evidenciar diversos conceitos sociais e religiosos. Dentre os exemplos mais comuns estão o branco representando a pureza, o verde significando vida, o vermelho denotando coragem e o preto expressando luto. Inúmeras universidades se valem das cores para diferenciar campos diferentes de aprendizado. No exercito, varias cores e suas combinações adquirem significado especial na linguagem em código.

No âmbito pessoal, é fato que as nossas emoções sofrem grande influencia das cores. Algumas são estimulantes e outras, repousantes. A maioria de nos sente prazer com certas cores e desprazer com outras. As pesquisas têm mostrado que há cores que despertam o apetite, enquanto outras provocam a sensação de odor. Existem aquelas consideradas neutras. Quase todos têm predileção por uma cor, e entre as favoritas está o azul.

Talvez não surpreendentemente, a coloração é um dos atributos fundamentais da aura humana, uma vez que constitui uma manifestação visível de energia em que cada cor designa funções energéticas especificas.

A aura arco íris se caracteriza pela disposição das cores em camadas esféricas que circundam o corpo.

Algumas vezes essas camadas são distintas e, em outras, misturam-se suavemente, criando regiões fronteiriças de coloração mista. As cores podem aparecer na aura sob a forma de borrões desordenados que se desvanecem em outras tonalidades, ou podem compor corpos monocromáticos isolados (bloqueios energéticos).

Apesar da aura humana jamais ser inteiramente branca ou negra, áreas brancas ou negras podem surgir ocasionalmente em forma de pontos concentrados de luz ou escuridão, e não como regiões extensas.

Além da distribuição, a intensidade, amplitude e nitidez das cores da aura também variam muito. De quando em quando, pequenas concentrações de cor incandescente e muito brilhante podem ser notadas numa aura que, não fosse por isso, seria absolutamente comum. Em geral, a intensidade, a amplitude da cor, constituem indicadores confiáveis do poder de sua energia, de modo que quanto mais intensa e ampla a cor, mais fortes são sua influencia e importância simbólica.

A nitidez ou luminosidade da cor é outro índice de sua força, pois quanto mais nítida ou luminosa a cor, mais poderosa é a sua influencia sobre a pessoa. Auras esmaecidas ou desbotadas quase sempre exercem um efeito debilitador ou apontam desenergização.

A REPRESENTAÇÃO DE CADA COR NA AURA

A aura arco íris se caracteriza pela disposição das cores em camadas esféricas que circundam o corpo.

Normalmente, o ser humano tem 8 camadas esféricas, coloridas e cada uma delas possui um papel diferente da outra conforme veremos abaixo:

    AZUL: cor que representa o nível de equilíbrio do ser humano.

    VERDE: cor que representa a saúde física e emocional.

    VIOLETA: cor que representa a capacidade de transmutação de obstáculos, problemas, energias e etc.

    AMARELO: cor que representa a auto-estima, auto confiança e a capacidade de alcançar sucesso financeiro e profissional.

    ROSA: cor que representa a afetividade, o amor, os relacionamentos.

    BRANCO: cor que representa a paz interior do ser humano.

    VERMELHO: cor que representa o ânimo, a força, a alegria, a motivação do ser humano.

    DOURADO: cor que representa a proteção do campo áurico.

Fonte:portalsaofrancisco.com.br
Imagem: Internet

Mesmo hoje, as cores ainda são usadas nas culturas mais desenvolvidas para evidenciar diversos conceitos sociais e religiosos. Dentre os exemplos mais comuns estão o branco representando a pureza, o verde significando vida, o vermelho denotando coragem e o preto expressando luto. Inúmeras universidades se valem das cores para diferenciar campos diferentes de aprendizado. No exercito, varias cores e suas combinações adquirem significado especial na linguagem em código.

No âmbito pessoal, é fato que as nossas emoções sofrem grande influencia das cores. Algumas são estimulantes e outras, repousantes. A maioria de nos sente prazer com certas cores e desprazer com outras. As pesquisas têm mostrado que há cores que despertam o apetite, enquanto outras provocam a sensação de odor. Existem aquelas consideradas neutras. Quase todos têm predileção por uma cor, e entre as favoritas está o azul.

Talvez não surpreendentemente, a coloração é um dos atributos fundamentais da aura humana, uma vez que constitui uma manifestação visível de energia em que cada cor designa funções energéticas especificas.

A aura arco íris se caracteriza pela disposição das cores em camadas esféricas que circundam o corpo.

Algumas vezes essas camadas são distintas e, em outras, misturam-se suavemente, criando regiões fronteiriças de coloração mista. As cores podem aparecer na aura sob a forma de borrões desordenados que se desvanecem em outras tonalidades, ou podem compor corpos monocromáticos isolados (bloqueios energéticos).

Apesar da aura humana jamais ser inteiramente branca ou negra, áreas brancas ou negras podem surgir ocasionalmente em forma de pontos concentrados de luz ou escuridão, e não como regiões extensas.

Além da distribuição, a intensidade, amplitude e nitidez das cores da aura também variam muito. De quando em quando, pequenas concentrações de cor incandescente e muito brilhante podem ser notadas numa aura que, não fosse por isso, seria absolutamente comum. Em geral, a intensidade, a amplitude da cor, constituem indicadores confiáveis do poder de sua energia, de modo que quanto mais intensa e ampla a cor, mais fortes são sua influencia e importância simbólica.

A nitidez ou luminosidade da cor é outro índice de sua força, pois quanto mais nítida ou luminosa a cor, mais poderosa é a sua influencia sobre a pessoa. Auras esmaecidas ou desbotadas quase sempre exercem um efeito debilitador ou apontam desenergização.

A REPRESENTAÇÃO DE CADA COR NA AURA

A aura arco íris se caracteriza pela disposição das cores em camadas esféricas que circundam o corpo.

Normalmente, o ser humano tem 8 camadas esféricas, coloridas e cada uma delas possui um papel diferente da outra conforme veremos abaixo:

AZUL: cor que representa o nível de equilíbrio do ser humano.

VERDE: cor que representa a saúde física e emocional.

VIOLETA: cor que representa a capacidade de transmutação de obstáculos, problemas, energias e etc.

AMARELO: cor que representa a auto-estima, auto confiança e a capacidade de alcançar sucesso financeiro e profissional.


ROSA: cor que representa a afetividade, o amor, os relacionamentos.

BRANCO: cor que representa a paz interior do ser humano.

VERMELHO: cor que representa o ânimo, a força, a alegria, a motivação do ser humano.

DOURADO: cor que representa a proteção do campo áurico.

Fonte:portalsaofrancisco.com.br
Imagem: Internet

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Astrologia: Céu do dia 4 de Setembro de 2013Lua Balsâmica Si...

Astrologia: Céu do dia 4 de Setembro de 2013

Lua Balsâmica Si...
: Céu do dia 4 de Setembro de 2013 Lua Balsâmica Signo Virgem Lua no último dia da sua fase balsâmica, indica que é tempo de recolher o...

Mudança

http://3.bp.blogspot.com/-BWJrwzRvNSE/UGhitQ1X7cI/AAAAAAAABSw/KItl09S_9PQ/s400/medita%C3%A7%C3%A3o.jpg


Temos falado muito da possibilidade de mudança. Como isso acontece no contexto da formação contemplativa? Sabemos que as emoções duram alguns segundos, que os humores duram, digamos, um dia, e que o temperamento é algo que se modela com o passar dos anos. Portanto, se queremos mudar, é obvio que precisamos primeiro agir com relação às emoções, e isso ajudará a modificar nossos humores, que, por fim, se estabilizarão na forma de um temperamento modificado. Em outras palavras, precisamos começar a trabalhar com os acontecimentos instantâneos que ocorrem na mente.

 Como dizemos, se cuidarmos dos minutos, as horas cuidarão de si mesmas. Quando falamos em meditação, a palavra usada em tibetano significa, na verdade, “familiarização”.Precisamos nos familiarizar com um novo modo de lidar com o surgimento dos pensamentos. No início, quando surge um pensamento de ira, desejo ou ciúme, não estamos preparados para ele. Portanto, em poucos segundos, esse pensamento dá origem a um segundo e a um terceiro, e logo nosso panorama mental é invadido por pensamentos que solidificam nossa raiva ou ciúme e, então, é tarde demais. Assim acontece quando uma faísca incendeia uma floresta, e estamos em apuros.A maneira elementar de intervir chama-se “olhar para trás”, para o pensamento.

 Quando surge um pensamento, precisamos observá-lo e observar sua fonte. Precisamos investigar a natureza desse pensamento que parece tão sólido. Ao encará-lo, sua solidez tão óbvia se derrete e o pensamento se extingue sem dar origem a um encadeamento de pensamentos. A questão não é tentar bloquear o surgimento de pensamentos – isso nem é mesmo possível – mas não deixá-lo invadir nossa mente. Precisamos fazê-lo diversas vezes porque não estamos acostumados a lidar com os pensamentos dessa maneira. Somos iguais a uma folha de papel que ficou muito tempo enrolada. Quando tentamos abri-la sobre a mesa, ela se enrola de novo no instante em que erguemos as mãos. É assim que se realiza o treinamento.Talvez haja quem pergunte o que as pessoas fazem nos retiros, passando oito horas por dia sentados. Fazem exatamente isso: familiarizam-se com um novo modo de lidar com o surgimento dos pensamentos. 

Quando começamos a nos acostumar com o reconhecimento dos pensamentos é como se fôssemos capazes de identificar rapidamente numa multidão alguém que conhecemos. Quando surge um pensamento potente de forte atração ou raiva sabemos que vai levar a uma proliferação de pensamentos, passamos a reconhecê-lo: “Ah, lá vem essa idéia!”. Esse é o primeiro passo. Ajuda muito a evitar que tal pensamento o domine. Depois de se acostumar com isso, o processo de lidar com os pensamentos se torna mais natural. Não é preciso lutar e aplicar antídotos específicos a cada pensamento negativo, porque sabemos como deixá-lo se esvaecer sem deixar vestígios. Os pensamentos se desamarram. O exemplo dado é o de uma cobra. Se ela é der um nó no corpo, consegue desfazer esse nó sem esforço, sem precisar de nenhuma ajuda externa. Por fim, haverá uma época em que os pensamentos chegarão e partirão como um pássaro que passa pelo céu, sem deixar vestígios.Outro exemplo dado é o do ladrão que entra numa casa vazia. O proprietário não tem nada a perder e o ladrão não tem nada a ganhar. É uma experiência de liberdade. Não nos tornamos simplesmente apáticos, como vegetais, mas passamos a dominar os pensamentos. Eles não nos carregam mais pelas rédeas. Isso só pode acontecer por intermédio de treinamento constante e experiência genuína. Também é assim que podemos, aos poucos, adquirir certas qualidades que passarão a integrar nossa natureza, tornam-se um novo temperamento.Texto completo clicando no link abaixo:

terça-feira, 3 de setembro de 2013

O Hexagrama é um símbolo que retrata TODA a natureza do Universo. Uma natureza FRACTAL (assim como o Pentagrama) e o triângulo para cima e outro para baixo, indica que: "Assim como é acima, é também abaixo - Assim na Terra como no céu, ou nos CÉUS que é o mais correto".

A palavra Hexagrama em grego significa 6 caracteres: (Hex = seis; grama = linha ou caracter). Ele é representado em muitas culturas como o cubo de Metraton da Cabala. Faz alusão ao 666 bíblico por 6 pontas, 6 lados e 6 triângulos. Tem uma representação no I Ching: As 6 linhas do Yin Yang. Os 64 hexagramas podem também ser considerados combinações entre os oito trigramas básicos. O número 64 tem relação com nossos 64 Códons. Ele também é muitio conhecido como a Estrela de David. O hexagrama é também o símbolo do elemento AR que faz referencia a ENLIL. Também representa o planeta Saturno para o Judeus, onde as alianças de casamento eram originalmente usadas nos Rituais do Anel que simbolizava os Anéis de Saturno e até hoje, seu dia sagrado é Sábado - (Saturn Day).
***GÊNESIS E O HEXEGRAMA*** 

(LEIAM TODO O TEXTO)

O Velho Testamento é um exemplo clássico de reciclagem religiosa que gerou a base de crença todas as religiões no mundo.

Em Gênesis 1: 26. "E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança". Interpretando essa frase, podemos entender que: O verbo "Façamos" está no PLURAL, então podemos concluir que esse tal "deus" não estava sozinho.

Gênesis 2:16;17;18. "E ordenou o senhor Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás. E disse o senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele". – E "fez" então, EVA.

O engraçado aqui é a contradição, pois antes disso, em Genesis 1:28 - ("E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra"), "deus" já tinha feito Adão, mas Eva ainda não. Então com quem ele iria "Frutificar e multiplicar"???

Perceba que há contradições intercaladas na bíblia que são pouco ou nunca contestadas. Os livros Gênesis e Êxodo foram escritos por uma classe sacerdotal hebraica conhecida como "Levitas" por volta de 586 a.C. Os Levitas foram remanescentes de uma "casta" de sacerdotes do Egito antigo. Esses mesmos sacerdotes foram os "iniciados" dos ensinamentos dos "deuses" do Egito antigo (posterior Escolas de Mistérios). Eles conheciam sobre os registros da civilização Suméria e a partir daí, usaram esse conhecimento para COMPILAR a Gênesis e o Êxodo.

A palavra Gênesis, por exemplo, é a junção de GEN ou GENES de genética com a palavra ISIS, a deusa Isis da sabedoria no Egito antigo.

Gênesis 2: 22. "E da costela que o senhor Deus tomou do homem, formou uma mulher, e trouxe-a a Adão".

TECHO DA CAPELA SIXTINA 1508 - 1512
A CRIAÇÃO DE ADÃO (1511) Na abóbada da Capela Sixtina, Miguel Ángel pintou nove cenas da Gênesis, das quais a mais famosa é A CRIAÇÃO DE ADÃO. Nela o cansado corpo de Adão já a ser animado pelo espírito de Deus mediante o suave toque da ponta de seus dedos. Esta impactante imagem pode ter sido sugerida pelo hino em Latín VENI CREATOR SPIRITUS, no qual Deus restaura a força e a coragem à carne debilitada com um toque de seu dedo.

A versão original do livro Gênesis está descrita nos cilindros Sumérios, por isso "deus" está no plural na bíblia e há tantas contradições. No Gênesis diz que "deus" criou o homem do "barro", porém na tradução dos cilindros Sumérios, Zecharia Sitchin diz que a palavra provém do termo "TI.IT" que na língua suméria, significa: "Aquilo que tem vida". Ou seja, CÉLULAS. O termo "TI" em sumério tem 2 significados: serve tanto para "costela" como para "vida". Portanto EVA que significa: "ela que tem vida", foi criada não da costela de Adão, mas das Células dele.

Em Genesis 2:3. "E abençoou Deus o dia sétimo, e o santificou; porque nele descansou de toda a sua obra que Deus criara e fizera". – Engraçado que "deus" também se cansa ... tá explicado!

"ENKI, após trabalhar duro na construção de Eridú que em Sumério significa "Lar distante", passou a descansar no sétimo dia". Uma "leve" semelhança né?!!

Bom, o que chama a atenção é que pela historia dos cilindros Sumérios, nós sabemos que ENKI, meio irmão de ENLIL, gerou o homem através de uma hibridização, um experimento genético e assim criou um ser à sua semelhança. Até aqui, entendemos que ENKI é o geneticista criador da raça humana e, portanto ele receberia o "titulo" bíblico de "deus". Porém, ENKI é retratado como a "Serpente" que enganou EVA incitando-a a comer do "fruto proibido". Se ENKI aqui é a Serpente enganadora, deus só poderia ser ENLIL, o senhor do comando, segundo nos conta os cilindros Sumérios.

Gênesis 3:5. "Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal".

É bem notório que a "arvore" do fruto do "pecado" não era mais do que uma alegoria para o CONHECIMENTO ou O fruto do conhecimento. Mas, ENLIL era contra passar o conhecimento aos recém criados LU.LUS como nos chamavam na língua Suméria, que significa: "O que foi misturado". A palavra "LU" em sumeriano, quer dizer "trabalhador ou SERVO" – servos de "deus". Esse termo também era usado para indicar "animais domésticos".

ENKI então passou a ser retratado como sendo uma alegoria pagã ao longo de nossa história fundindo-se a veneração aos Astros. Por isso a bíblia é um conto Astroteológico.

ENKI ganhou muitos nomes. Entre tantos, no Egito antigo foi PTAH (pai). Foi também SHAYTAN dos Yazidi e dos arabes, e do Islão. Foi também o deus da traição Seth do Egito. Foi o enganador e adversário conhecido como Satanás da tradição judaico-cristã. Ele foi o chamado OPOSITOR a "deus", ou seja a ENLIL, portanto ENKI era Lucifer, o portador da "LUZ". E porque da LUZ? Pois porque ele foi quem "tentou" Eva no paraíso a saber, conhecer e a aprender que ela também era um "deus" em potencial. LUZ = ESCLARECIDO.

É claro que a igreja o acusaria de caluniador e opositor a "deus", e criaria sua versão mais atualizada e antropomorfizada pela Era do "Carneiro" com os chifres do Diabo, pois onde já se viu ?!... Se a humanidade se tornasse sábia e conhecedora de sua verdadeira essência, quem os controlaria??? Esse conhecimento, foi sendo passado e foi por esse conhecimento que surgiu o chamado "Ocultismo", cujo os segredos pertencem aos altos graus das "Sociedades Secretas". Não é por acaso que muitos dizem que os "Illuminatis" são Satanistas. É claro, possuem um conhecimento que você não possui. SATANÁS não passa de uma alegoria de um personagem ou arquétipo histórico que é ao mesmo tempo "deus" e o "diabo" = ENKI.

Agora, pense: ENLIL nunca quis que soubessemos sobre nossa natureza. Os altos sacerdotes que ministram a Igreja nunca quiseram que soubessemos sobre nossa realidade. Os altos graus das Sociedades Secretas nunca quiseram que soubessemos sobre nossa natureza. Nos restou então, o idolatrismo pagão e a ignorância do apego ao materialismo que nos divide e nos corrompe a cada dia, nos aprofundando cada vez mais num buraco escuro e desesperador.

Dizem que o Hexagrama é o símbolo mais "perigoso" e malígno que há. Eu digo que isso é BESTEIRA!!! O fato de não conhecermos algo, nos imputa medo - "O homem teme aquilo que não conhece". - Conhecimento é PODER!

O Hexagrama é um símbolo que retrata TODA a natureza do Universo. Uma natureza FRACTAL (assim como o Pentagrama) e o triângulo para cima e outro para baixo, indica que: "Assim como é acima, é também abaixo - Assim na Terra como no céu, ou nos CÉUS que é o mais correto".

A palavra Hexagrama em grego significa 6 caracteres: (Hex = seis; grama = linha ou caracter). Ele é representado em muitas culturas como o cubo de Metraton da Cabala. Faz alusão ao 666 bíblico por 6 pontas, 6 lados e 6 triângulos. Tem uma representação no I Ching: As 6 linhas do Yin Yang. Os 64 hexagramas podem também ser considerados combinações entre os oito trigramas básicos. O número 64 tem relação com nossos 64 Códons. Ele também é muitio conhecido como a Estrela de David. O hexagrama é também o símbolo do elemento AR que faz referencia a ENLIL. Também representa o planeta Saturno para o Judeus, onde as alianças de casamento eram originalmente usadas nos Rituais do Anel que simbolizava os Anéis de Saturno e até hoje, seu dia sagrado é Sábado - (Saturn Day).


***GÊNESIS E O HEXEGRAMA***

(LEIAM TODO O TEXTO)

O Velho Testamento é um exemplo clássico de reciclagem religiosa que gerou a base de crença todas as religiões no mundo.

Em Gênesis 1: 26. "E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança". Interpretando essa frase, podemos entender que: O verbo "Façamos" está no PLURAL, então podemos concluir que esse tal "deus" não estava sozinho.

Gênesis 2:16;17;18. "E ordenou o senhor Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás. E disse o senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele". – E "fez" então, EVA.

O engraçado aqui é a contradição, pois antes disso, em Genesis 1:28 - ("E Deus os abençoou, e Deus lhes disse: Frutificai e multiplicai-vos, e enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra"), "deus" já tinha feito Adão, mas Eva ainda não. Então com quem ele iria "Frutificar e multiplicar"???

Perceba que há contradições intercaladas na bíblia que são pouco ou nunca contestadas. Os livros Gênesis e Êxodo foram escritos por uma classe sacerdotal hebraica conhecida como "Levitas" por volta de 586 a.C. Os Levitas foram remanescentes de uma "casta" de sacerdotes do Egito antigo. Esses mesmos sacerdotes foram os "iniciados" dos ensinamentos dos "deuses" do Egito antigo (posterior Escolas de Mistérios). Eles conheciam sobre os registros da civilização Suméria e a partir daí, usaram esse conhecimento para COMPILAR a Gênesis e o Êxodo.

A palavra Gênesis, por exemplo, é a junção de GEN ou GENES de genética com a palavra ISIS, a deusa Isis da sabedoria no Egito antigo.

Gênesis 2: 22. "E da costela que o senhor Deus tomou do homem, formou uma mulher, e trouxe-a a Adão".

TECHO DA CAPELA SIXTINA 1508 - 1512
A CRIAÇÃO DE ADÃO (1511) Na abóbada da Capela Sixtina, Miguel Ángel pintou nove cenas da Gênesis, das quais a mais famosa é A CRIAÇÃO DE ADÃO. Nela o cansado corpo de Adão já a ser animado pelo espírito de Deus mediante o suave toque da ponta de seus dedos. Esta impactante imagem pode ter sido sugerida pelo hino em Latín VENI CREATOR SPIRITUS, no qual Deus restaura a força e a coragem à carne debilitada com um toque de seu dedo.

A versão original do livro Gênesis está descrita nos cilindros Sumérios, por isso "deus" está no plural na bíblia e há tantas contradições. No Gênesis diz que "deus" criou o homem do "barro", porém na tradução dos cilindros Sumérios, Zecharia Sitchin diz que a palavra provém do termo "TI.IT" que na língua suméria, significa: "Aquilo que tem vida". Ou seja, CÉLULAS. O termo "TI" em sumério tem 2 significados: serve tanto para "costela" como para "vida". Portanto EVA que significa: "ela que tem vida", foi criada não da costela de Adão, mas das Células dele.

Em Genesis 2:3. "E abençoou Deus o dia sétimo, e o santificou; porque nele descansou de toda a sua obra que Deus criara e fizera". – Engraçado que "deus" também se cansa ... tá explicado!

"ENKI, após trabalhar duro na construção de Eridú que em Sumério significa "Lar distante", passou a descansar no sétimo dia". Uma "leve" semelhança né?!!

Bom, o que chama a atenção é que pela historia dos cilindros Sumérios, nós sabemos que ENKI, meio irmão de ENLIL, gerou o homem através de uma hibridização, um experimento genético e assim criou um ser à sua semelhança. Até aqui, entendemos que ENKI é o geneticista criador da raça humana e, portanto ele receberia o "titulo" bíblico de "deus". Porém, ENKI é retratado como a "Serpente" que enganou EVA incitando-a a comer do "fruto proibido". Se ENKI aqui é a Serpente enganadora, deus só poderia ser ENLIL, o senhor do comando, segundo nos conta os cilindros Sumérios.

Gênesis 3:5. "Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal".

É bem notório que a "arvore" do fruto do "pecado" não era mais do que uma alegoria para o CONHECIMENTO ou O fruto do conhecimento. Mas, ENLIL era contra passar o conhecimento aos recém criados LU.LUS como nos chamavam na língua Suméria, que significa: "O que foi misturado". A palavra "LU" em sumeriano, quer dizer "trabalhador ou SERVO" – servos de "deus". Esse termo também era usado para indicar "animais domésticos".

ENKI então passou a ser retratado como sendo uma alegoria pagã ao longo de nossa história fundindo-se a veneração aos Astros. Por isso a bíblia é um conto Astroteológico.

ENKI ganhou muitos nomes. Entre tantos, no Egito antigo foi PTAH (pai). Foi também SHAYTAN dos Yazidi e dos arabes, e do Islão. Foi também o deus da traição Seth do Egito. Foi o enganador e adversário conhecido como Satanás da tradição judaico-cristã. Ele foi o chamado OPOSITOR a "deus", ou seja a ENLIL, portanto ENKI era Lucifer, o portador da "LUZ". E porque da LUZ? Pois porque ele foi quem "tentou" Eva no paraíso a saber, conhecer e a aprender que ela também era um "deus" em potencial. LUZ = ESCLARECIDO.

É claro que a igreja o acusaria de caluniador e opositor a "deus", e criaria sua versão mais atualizada e antropomorfizada pela Era do "Carneiro" com os chifres do Diabo, pois onde já se viu ?!... Se a humanidade se tornasse sábia e conhecedora de sua verdadeira essência, quem os controlaria??? Esse conhecimento, foi sendo passado e foi por esse conhecimento que surgiu o chamado "Ocultismo", cujo os segredos pertencem aos altos graus das "Sociedades Secretas". Não é por acaso que muitos dizem que os "Illuminatis" são Satanistas. É claro, possuem um conhecimento que você não possui. SATANÁS não passa de uma alegoria de um personagem ou arquétipo histórico que é ao mesmo tempo "deus" e o "diabo" = ENKI.

Agora, pense: ENLIL nunca quis que soubessemos sobre nossa natureza. Os altos sacerdotes que ministram a Igreja nunca quiseram que soubessemos sobre nossa realidade. Os altos graus das Sociedades Secretas nunca quiseram que soubessemos sobre nossa natureza. Nos restou então, o idolatrismo pagão e a ignorância do apego ao materialismo que nos divide e nos corrompe a cada dia, nos aprofundando cada vez mais num buraco escuro e desesperador.

Dizem que o Hexagrama é o símbolo mais "perigoso" e malígno que há. Eu digo que isso é BESTEIRA!!! O fato de não conhecermos algo, nos imputa medo - "O homem teme aquilo que não conhece". - Conhecimento é PODER!

O Hexagrama é um símbolo que retrata TODA a natureza do Universo. Uma natureza FRACTAL (assim como o Pentagrama) e o triângulo para cima e outro para baixo, indica que: "Assim como é acima, é também abaixo - Assim na Terra como no céu, ou nos CÉUS que é o mais correto".

A palavra Hexagrama em grego significa 6 caracteres: (Hex = seis; grama = linha ou caracter). Ele é representado em muitas culturas como o cubo de Metraton da Cabala. Faz alusão ao 666 bíblico por 6 pontas, 6 lados e 6 triângulos. Tem uma representação no I Ching: As 6 linhas do Yin Yang. Os 64 hexagramas podem também ser considerados combinações entre os oito trigramas básicos. O número 64 tem relação com nossos 64 Códons. Ele também é muitio conhecido como a Estrela de David. O hexagrama é também o símbolo do elemento AR que faz referencia a ENLIL. Também representa o planeta Saturno para o Judeus, onde as alianças de casamento eram originalmente usadas nos Rituais do Anel que simbolizava os Anéis de Saturno e até hoje, seu dia sagrado é Sábado - (Saturn Day).